Início‎ > ‎Sardoalenses Ilustres‎ > ‎

D. António Alves Ferreira

Nasceu a 11 de Junho de 1864, no lugar de Valhascos, então freguesia e concelho de Sardoal. Só em 1880 começou os seus estudos em Castelo Branco, sede da antiga Diocese a que pertencia o Sardoal. Ali fez os preparatórios para o curso teológico. Suprimido, porém, o Bispado de Castelo Branco, matriculou-se no primeiro ano de Teologia no Seminário de Portalegre, em Outubro de 1883. Concluiu o curso em 1886 e celebrou a primeira missa no dia de Natal do mesmo ano. Em 1886 e 1887 repetiu os preparatórios no Liceu de Portalegre; em Outubro de 1887 matriculou-se na Universidade de Coimbra no primeiro ano de Teologia, formando-se em 1893. Desde Junho de 1889 era pároco colado da freguesia de S.Facundo, concelho de Abrantes, mas alcançou dispensa de residência para frequentar a Universidade. Em Coimbra foi Capelão da Real Capela da Universidade e do Mosteiro de Santa Clara.

Em Setembro ou Outubro de 1894 resignou ao benefício de S. Facundo para ir desempenhar o cargo de vice-reitor do Seminário de Lamego, no qual se conservou até Julho de 1906. Em Lamego regeu as cadeiras de Geografia, de História e de Teologia Dogmática e o de examinador pró-sinodal e, por algum tempo, o de governador do Bispado; foi cónego da Sé e durante mais de um ano presidente da direcção do Asilo da Infância Desvalida. Em 1906 saiu de Lamego por ter sido provido num canonicato da Sé Patriarcal de Lisboa, com o ónus de ensino no Seminário de Santarém, onde regeu uma das cadeiras de Teologia Moral.

Apresentado coadjutor e sucessor do Bispo de Viseu, por decreto de Novembro de 1907, foi preconizado em consistório de 19 de Dezembro do mesmo ano, com o título de Martiropólis. Recebeu a sagração episcopal em 26 de Janeiro de 1908 e entrou ao serviço no meado de Março do mesmo ano. Por morte do Bispo D.José Dias Correia de Carvalho, foi Bispo de Viseu desde 2 de Julho de 1911.

Em 3 de Janeiro de 1912 expediu uma circular em que condenava as associações denominadas culturais. Por decreto do dia 14 foi-lhe imposta a expulsão por dois anos. Passou então à sua terra natal, onde esteve até que em 5 de Maio do mesmo ano foi assentar casa em Fornos de Algodres. Regressou à Diocese no dia 20 de Janeiro de 1914. Instituiu na sua residência de Valhascos a residência do Pároco, adicionando-lhe uma parcela de terra com água potável, árvores de fruto e logradouro.

Faleceu em Viseu a 29 de Janeiro de 1924, depois de dois ou três anos de doença cardíaca.
Comments