Início‎ > ‎Sardoal: 1900-1920‎ > ‎

18. Notícias de há 100 anos (VII)

4 de Dezembro de 1910
Andreus - Gasómetro

Está funcionando no estabelecimento do Sr. Joaquim Martinho, dos Andreus um
gasómetro muito perfeito e económico como ainda não vimos outro, cuja execução
se deve ao hábil artista do Sardoal, Sr. José António dos Santos, morador na rua da
Estalagem n.º 8. Além de dois magníficos geradores, está munido de dois resistentes
acumuladores, tendo ainda o competente manómetro para regular a pressão a gaz.
Também tem um regulador de pressão que mantém a saída do gás, sempre debaixo da
mesma pressão. O que podemos garantir é que a apresentação do aparelho como está,
faz a honra a quem o fabrica.

18 de Dezembro de 1910
Correspondências - Sardoal

Sobre assuntos concernentes à instrução primária no concelho de Sardoal,
conferenciaram anteontem demoradamente com o director geral daquele ramo de
serviço, Dr. João de Barros, o ilustre Governador do distrito, o Sr. Dr. Ramiro Guedes, e
o administrador do concelho Sr. Aurélio Neto.
Nesta conferência, em que também foi ventilada a criação da escola de Valhascos, aliás
tão necessária, ficou estabelecido em bases certas a norma a seguir de futuro para que
certos espíritos ciosos de glórias fúteis não deitem muito as unhas de fora, e ofendam,
quem está disposto a servir com amor e isenção a causa da República.

25 de Dezembro de 1910
Sardoal - Registo Civil

No passado domingo realizou-se na administração deste concelho o registo de
nascimento do galante filhinho do Sr. Jayme Leal e de Sua Exmª esposa Sr.ª D. Maria
Clementina Pequito Leal.
Testemunharam o acto, o Sr. General João Joaquim Caldeira Pires e a Sr.ª D. Maria
Joaquina Pequito Caldeira Pires.
Após o acto, realizou-se também, o baptismo religioso na Igreja Paroquial desta vila.
Foi este o primeiro registo que aqui se realizou.

5 de Fevereiro de 1911
Sardoal - Jantar político

O Administrador deste concelho Sr. Aurélio Neto, ofereceu no penúltimo domingo um
jantar aos membros e efectivos da comissão municipal republicana daqui. Por especial
deferência assistiu ao jantar o Dr. Aragão e seu secretário Sr. Simão Pires de Oliveira.
Ao todo ergueram vários brindes ao governo provisório, Dr. Ramiro Guedes,
magistratura independente, etc., etc.
Esta festa de fraternidade republicana a que todos deixou gratas recordações terminou com um viva à República, que foi correspondido com todo o entusiasmo pelos convivas.

O dia 31 de Janeiro também aqui teve a sua consagração.
Durante o dia a câmara mandou deitar algumas girândolas de foguetes, e à noite
mandou iluminar o edifício das repartições públicas, tocando por algum tempo em
frente aos Paços do Concelho, a sociedade Fraternidade Sardoalense, que em seguida
percorreu as ruas da vila, executando a Portuguesa.
Muitos habitantes daqui também se associaram a estas manifestações, iluminando as
suas casas.

A comissão administrativa municipal, em sessão extraordinária, resolveu escolher a
segunda-feira para descanso semanal, excepto às segundas - feiras de cada mês, que será o dia imediato porque naquele dia haver mercado mensal.

Com demora de alguns dias encontra-se nesta vila o nosso amigo Sr.Francisco José
Simões.

Embarcou no dia 1 para África (Dombe Grande) o nosso amigo Sr. Francisco Alves
Tavares. Boa viagem é que sinceramente desejamos.

Consta-nos que durante este mês, o Sr. Dr. Ramiro Guedes, digno Governador Civil
virá visitar o Sardoal oficialmente a pedido da comissão municipal republicana.

JORNAL DE ABRANTES

12 de Fevereiro de 1911
Visita oficial do Sr. Governador Civil
Exmº Sr. Dr. Ramiro Guedes

Em reunião das comissões municipais, político e administrativa sob a presidência do 
administrador do concelho Sr. Aurélio Neto, foi resolvido convidar o Exmº Sr.Dr.
Ramiro Guedes, digno governador civil deste distrito, a visitar oficialmente esta vila nodia 19 do corrente.
Ficou resolvido que se lhe oferecesse um jantar e se lhe fizesse uma recepção festiva.
Organizou-se duas comissões, uma encarregada do jantar composta dos Srs. João
Batista Saldanha da Fonseca e Serra. António Carvalho Tramela, Pedro Barneto
Nogueira e Abílio da Fonseca Matos e Silva, e a outra dos Srs. António Lopes
Ignez, Júlio Bívar Xavier de Azevedo Salgado, António Dias Conde e Rafael Alves
Passarinho, encarregada da ornamentação das ruas e outras manifestações. A cativante
e honrosa deferência que sua Exª. nos dará vindo visitar esta vila, saberão todos os
habitantes corresponder com todo o cavalheirismo, galhardia e entusiasmo para que
fique sabendo, que o Sardoal, não é propriedade de reaccionários, mas sim povo livre, que está pronto a contribuir com o seu esforço e dedicação para a regeneração da Pátria, o desenvolvimento intelectual e material do concelho.
O jantar realiza-se no Salão Nobre da casa do Sr. Abílio da Fonseca Matos e Silva, que
espontaneamente o pôs à disposição da comissão.
É, por este meio de inscrição que se encontra o Clube Recreativo sardoalense, no
estabelecimento do Sr. António Carvalho Tramela, e no do Sr. Máximo Martins
Salgueiro.

19 de Fevereiro de 1911
Correspondências --Sardoal

Por motivos de visita do Sr. Ministro do Fomento a Coruche no dia 19, teve o digno
Governador Civil do Distrito, Sr. Dr. Ramiro Guedes de adiar a sua visita a esta vila
para 5 de Março.
Reina grande entusiasmo em todo o concelho, pela vinda aqui, de tão digno visitante...
Para o banquete que se realiza em honra de sua Exª., já se encontra inscritos bastantes
cavalheiros.

Como nos últimos tempos aqui se tenha dado alguns roubos, a autoridade administrativa está procedendo a rigorosas indagações para ver se sabe quem são os autores de tais assaltos, para receberem o prémio dos assaltos e das suas proezas.

26 de Fevereiro de 1911
Correspondências -Sardoal

A comissão municipal política deste concelho, como prova de reconhecimento
pelas atenções e deferências que tem recebido do digno administrador Sr. Aurélio
Neto, ofereceu-lhe no passado domingo um jantar, que ofereceu também à comissão
administrativa do município.
Ao todo, foram erguidas entusiásticos e calorosos brindes pondo em destaque a
figura do Sr. Aurélio Neto, não só como político que tem sido de uma correcção e
lealdade inexcedível valor mas também como administrador deste concelho, cargo
que tem desempenhado com elevação e independência, fazendo política de atracção e reconciliação sem agravos para ninguém.
O festejado agradeceu em frases repassadas de comoção e revestidas de maior
sinceridade todas as saudações que lhe dirigiram, que imensamente o penhoram e que
jamais esqueceria.
Terminou propondo que se enviasse ao Sr. Ministro da Justiça o seguinte telegrama:
Sr. Ministro da Justiça
Comissão Administrativa e Política reunidas em banquete íntimo, aclamaram
entusiasticamente V.Ex.ª encarregando-me patenteia-lhe a sua muito estima,
consideração e respeito pela sua obra de estadista e mencionadamente decreto registocivil obrigatório.

Administrador do Concelho
Aurélio Neto
E outro ao Sr. Governador Civil Sr. Dr. Ramiro Guedes, Santarém.
Comissão administrativa e política deste concelho reunidas ontem, em banquete íntimo
saudaram V.Ex.ª encarregando-me testemunhar sua estima e consideração.
Administrador do Concelho, Aurélio Neto.
A proposta foi aprovada por aclamação total e com vivas ao Sr. Aurélio Neto, Dr.
Afonso Costa, ao partido republicano.
Festas como estas se muito penhoram quem as recebe, também deixam gratas
recordações àqueles que as promovem.
Na administração deste concelho está sendo corrente um processo ao Padre Francisco
Correia Ventura, por falta de respeito pela autoridade administrativa e difamação á
República e Sr. Dr. Afonso Costa.
Consta ainda esta semana será enviado a juízo.
É definitiva a vinda do Sr. Dr. Ramiro Guedes, a esta vila no próximo dia 5 de Março.

Tudo nos fez antever que a recepção a tão ilustre visitante, será uma das mais
imponentes que os habitantes do concelho de Sardoal tem feito, pois sua Exª. é aqui
estimado e respeitado por todos, não só como homem politico, mas também como
médico distinto que é.
Que todos os habitantes do concelho compreendam o alcance político e o muito que
temos a lucrar com tão honrosa e cativante visita são as nossas principais aspirações e
os nossos ardentes desejos.

5 de Março de 1911
Declaração

O coadjutor do Sardoal, Francisco Correia Ventura, declara por este meio e para que
conste, que retira e considera sem nenhum efeito as palavras e apreciações ofensivas
que, no calor das suas discussões em público, nesta vila de Sardoal tem feito contra as
actuais instituições políticas, nomeadamente contra o Sr.Dr. Afonso Costa, ministro da
Justiça.
Como cidadão e como eclesiástico, e nesta qualidade, nas relações do Estado com a
Igreja, declara também acatar e respeitar os poderes constituídos.

Sardoal, 28 de Fevereiro de 1911
Francisco Correia Ventura
(segue o reconhecimento)

JORNAL DE ABRANTES

12 de Março de 1911
a Visita do Sr. Governador Civil
de Santarém a Sardoal

Com um belo dia de sol, um dia criador realizou-se no domingo passado a visita do Sr.
Governador Civil a Sardoal.
O que foi essa visita, o que ela representou a maneira fidalga, bizarra e entusiástica
como o concelho de Sardoal recebeu o seu hóspede, levou-nos ao conhecimento de
que Sardoal já não é terra fanática, fradesca e obsoleta que foi, mas uma terra que se
emancipa, que avança que se democratiza.
A simpatia, o respeito, o acatamento com que se olhava o Sr. Dr. Ramiro Guedes,
representava, cremos bem, a admiração pelo seu belíssimo carácter, pelas suas extensas
qualidades, pelo seu formosíssimo coração.
Assim ele entrou no Sardoal como numa terra amiga e, aquela vestiu galas para o
receber.

A Partida de Abrantes

À uma hora da tarde já o automóvel que o devia conduzir o Sr. Dr. Ramiro Guedes,
estava à porta de sua casa. Um pouco antes tinha partido o director deste jornal, Diogo
Oleiro, Coronel Guedes, Dr. Damas e João Farinha.
À uma e meia partiu o Sr. Dr. Ramiro Guedes, acompanhado de seu genro Dr. Correia
de Campos, D. Lucinda Campos, Mademoisele Wadie Lorrentain e seus netos Maria
José e Ramiro.
À hora anunciada, 2 da tarde, chegava o automóvel e carros ao ponto da estrada que
divide os concelhos de Abrantes e Sardoal, achando-se ali a Comissão Administrativa
do Município, Aurélio Neto, administrador do concelho, comissão municipal,
funcionários públicos e outros cavalheiros.
Trocados os cumprimentos, formou-se um cortejo seguindo os carros que ali
estavam, os que tinham ido, e o automóvel em direcção à vila. Na embocadura da
estrada de Valhascos estava o povo deste lugar, que, com vivas e foguetes saudou
o Sr. Governador Civil, seguindo atrás do automóvel. Um pouco adiante na estrada
de Cabeça das Mós, o povo, que, pela mesma forma saudou o ilustre democrata,
entregando-lhe uma bandeira e seguindo o automóvel. Na ponte à entrada do Sardoal,
duas filarmónicas e muita gente, que à passagem deitou flores, levantando muitos
vivas . E assim se chegou ao largo do Chafariz, (Fonte da Preta) onde se apeou o Sr.
Governador Civil e as pessoas que o seguiram, sendo então enorme o entusiasmo
e subindo ao ar centenas de foguetes que à mistura com as notas da “Portuguesa”
e “Maria da Fonte” tocadas com entusiasmo pelas duas filarmónicas davam bem a
impressão de alegria e satisfação que o Sardoal sentia com a visita do chefe do distrito.
Passados momentos, os indispensáveis para se poder avançar, tanta era a gente que
estava, dirigiram-se todos para a praça onde
Nos Paços do Concelho
se realizou a sessão solene de boas vindas que foi aberta pelo cidadão Pedro Barneto
de Oliveira, Presidente da Câmara , que em nome do concelho cumprimentou o Sr.Dr.
Ramiro Guedes, seguindo-se o administrador do concelho Aurélio Neto, que fez um
entusiástico discurso, Saldanha Vigário, e Batista, agradecendo o Sr. Dr. Ramiro
Guedes a maneira como o haviam recebido congratulando-se por ver o povo do Sardoal, que era tido como reaccionário, aclamar assim com entusiasmo a República.
Depois da sessão o Sr. Dr. Ramiro Guedes veio à varanda e recebeu uma estrondosa
ovação da multidão que estava na praça, levantando-se muitosvivas, que foram
correspondidos pelo Sr. Governador Civil.
Uns minutos de palestra e todos em marcha para se fazer

A Visita ao Hospital
que fica na parte mais alta da vila. À entrada do estabelecimento é o ilustre hóspede
esperado pela mesa administrativa, Srs. Saldanha, Máximo, Abílio, Lopes, Ignez,
Grácio e Batista e o médico do hospital, Dr. José Gonçalves Caroço. Foram visitadas
todas as dependências do edifício, irrepreensível e na melhor ordem. Visitou-se depois a capela e a sacristia onde há objectos de valor e trocados os cumprimentos entre os mesários e o Sr. Dr. Ramiro Guedes formou-se um cortejo que se dirigiu ao adro da igreja donde se desfruta um bonito panorama, daqui a casa do Sr Abílio Matos e Silva onde se realizou
O Banquete
Foi servido num salão que aquele Sr. gentilmente cedeu, e que estava artista e
elegantemente ornamentado com escudos, ramos de louro, bandeiras nacionais e de
nações amigas, colchas, iniciais feitas com rosas e um retrato do Sr. Dr. Ramiro Guedes
emoldurado numa rica colcha.
O salão estava iluminado com 30 lâmpadas eléctricas, que produziam um belo efeito e
na mesa nada faltava, tendo cada conviva uma soberba camélia e havendo muito mais
espalhadas por artísticos centros de mesa.
Como não acreditássemos que tudo isto se devesse só a mãos masculinas, perguntamos
a um dos membros da Comissão, que nos informou de que foram as Sras D. Judith e
Alzira Leal, D. Maria Nogueira, D. Laura de Matos e D. Glória Delgado, que muito
contribuíram para dar a nota de elegância e distinção que a mesa e ornamentação
tinham. O serviço esplêndido e completo, dos mais completos mesmo que temos

assistido
Para que assim fosse, muito trabalhou a comissão composta dos Srs. Nogueira,
Saldanha e Abílio.
À tarde trocaram-se muitos brindes, alguns dos quais foram por assim dizer belos
discursos.
Lembramos de terem feito brindes: os Srs. Nogueira, Abílio Neto, Dr. Ramiro Guedes,
Oliveira Neto, Diogo Oleiro, Ferreira, Adelino Grácio, Dr. Caroço, Passarinho e
Salgado.
O banquete terminou às 11 da noite, no meio de maior entusiasmo tendo, durante ele,
tocado na praça alternadamente as duas filarmónicas da vila. À saída de casa do Sr.
Matos Silva organiza-se uma marcha “aux flambert” com balões, archotes, tomando
parte nela as duas músicas e sendo o Sr. Ramiro Guedes (Dr.), acompanhado até à ponte
por todas as autoridades, comissão e muito povo que constantemente o aclamava.
Trocaram-se os últimos cumprimentos e o automóvel e os carros partem ficando
uma belíssima impressão da festa a que tinham assistido, o Sr. Dr. Ramiro Guedes
no regresso para Abrantes, com os seus netos que adora, ouvindo a declaração do
pequeno Ramiro, de que tinha gostado da festa, deve ter-se sentido satisfeito e ficou-
lhe certamente da tarde que acabava de passar a impressão de que o povo do Sardoal se
democratiza e identifica com as novas instituições.
A visita do Sr. Dr. Ramiro Guedes deu causa a um facto que o Sardoal há muito
desejava.
A fusão das duas filarmónicas, que se fez depois da retirada do Sr. Dr.Ramiro Guedes,
devido aos esforços do Sr. Aurélio Neto e Matos Silva, levando este a sua generosidade
até onde podia levar, ofereceu à filarmónica mais antiga o instrumental da outra.
Esta fusão representa para o Sardoal a realização de um desejo antigo, e com ela
acabarão umas pequenas questões que por vezes surgiam e levantavam atritos.
Não podemos deixar de felicitar e não querendo acabar esta notícia sem o fazermos, o
nosso amigo Aurélio Neto, administrador do Concelho pela forma correcta diplomática
e sensata como tem empenhado o seu lugar, conseguindo harmonizar e reunir elementos
que sendo muito úteis andavam dispersos, e que agora trabalham para bem do Sardoal.
Por lapso não dissemos na altura devida, que a comissão dos festejos era composta dos
Srs. Conde, Ignez, Passarinho e Salgado.
Que o povo de Andreus ofereceu ao Sr. Governador Civil uma mensagem com centenas
de assinaturas encerradas numa pasta forrada a seda verde e encarnada.
Que foi o Sr. Salgado que ornamentou a sala da Câmara e o Sr. Ferreira quem ajudou as
senhoras que atrás mencionou no Salão do Jantar.
Muito desejávamos publicar uns discursos que a sessão de boas vindas foram
proferidos, a falta de espaço, impede-nos, porém de o fazer, e terminamos com um viva
o povo do concelho do Sardoal.
Comments